Langtang & Lagos Gosaikunda

Depois de 15 dias de trekking pelo circuito de Annapurna, que fizeram maravilhas ao corpo e à alma decidi aventurar-me por mais montanhas, desta vez pela zona de Langtang e dos lagos sagrados de Gosaikunda.

Aqui partilho partes do diário em dias que me marcaram mais, ou simplesmente é o que neste momento me faz sentido partilhar com vocês.

Aqui vai!

6/11/17

Localização: Woodland Guest House

Langtang foi das áreas mais afetadas pelo terramoto de 2015, e é notório quando se lá passa.

Uma derrocada gigantesca de um glaciar que destruiu um vila e mais de metade da população morreu. É incrível passar ‘’por cima’’ do que um dia foi uma aldeia, subterradas naquela imensidão de rochas estão vidas, histórias, pessoas..

DSC03004
Parte da derrocada

Langtang renasceu a uns km mais à frente, famílias que perderam tudo recomeçaram do 0 com ajudas de ONG’s e com o resto de fé que ainda tinham.

Perguntar aos locais sobre o terramoto é fazer-lhes recordar o pior dia das suas vidas e da sorte que têm de estar ali para contar a história.

É triste saberem que pais, irmãos, amigos estão a escassos metros debaixo de escombros.

Caminhar por Langtang é emocionante e sente-se uma mística no ar, uma paz triste, uma força da natureza impossível de combater.

Relembro também as pessoas que como eu, que vinham conquistar montanhas e cumprir sonhos, estar em harmonia com a natureza acabando por perder a vida neste desastre natural.

Creio que toda as estrelas que beijam este céu são aqueles que perderam aqui a vida.

Hoje, longe da azafama da rotina da vida real, das horas, das regras. Estou perdida no tempo e no espaço. Isto traduz-se em felicidade.

DSC02984DSC03107

 

 

9/11/17

Gosaikunda (4400m)

Os lagos sagrados, onde se diz que se se mergulhar ganhamos poderes do deus Shiva, mas com este frio torna-se uma missão quase impossível.

Este ambiente e os lagos rodeados pelas montanhas nevadas fizeram-me ficar por mais uma noite, o Inverno começa em 1 semana e os lagos vão congelar e tudo ficará mais branco.

É extraordinário pensar que estou no meio das montnhas que o tibete é já ali que me superei a todos os níveis.

Foi 1 mês a caminhar, de descoberta interior e de conhecimento pessoal, foi testar os limites e viver em pleno.

Perder-me nos dias e nas horas e não ter planos ser o maor dos planos. Estar longe do mundo e da realidade da vida que nos consome sem que nos apercebamos disso.

Estar aqui é fugir mas também encontrar algo nunca antes sentido.

DSC03219DSC03218DSC03217DSC03235

(Demasiado frio, a garrafa de água ficou de fora e congelou)

12/11/17

Localização: Chisapani

O fim de mais uma caminhada viver é experimentar e não ficar a pensar no sentido da vida.

Por vezes é preciso para longe antes que possamos compreender o que está perto.

Nasci viajante, há algo em mim que me move constantemente a explorar, a buscar o meu interior por mais que esteja sempre comigo. Há um mundo que me faz sair de casa e encontrar-me com a vida constantemente.

‘’ Os sonhadores não podem ser domados’’

 

DSC03337
Nesta noite fiquei a dormir num mosteiro budista pois não encontrar uma guest house.

 

DSC03366
Restos de destruição do terramoto

 

DSC03037
Conquista do pico kyanjing Ri a 4400M

 

 

DSC03366
Restos de destruição do terramoto
DSC03098
Didi (senhora mais velha) a trabalhar num cinto tibetano

Agradecimento:

Quero agradecer ao Romén que conheci no segundo dia do trekking numa guest house que me acompanhou na conquista desta montanha! Por todos os momentos partilhados motivação e força de vontade.

Começamos um caminho sozinhos mas a verdade é que há sempre alguém especial que se cruza pelo caminho!

Vêmo-nos nas Canárias, em Portugal ou pelo MUNDO!

HASTA PRONTO AMIGO 😀

 

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

2 comments